A empresa Capella Space desenvolveu um satélite que pode ver através das paredes. Ou seja, ele pode registrar imagens claras do que está dentro de algumas construções e edifícios, com uma resolução incrível.

Apesar de não ser possível ver exatamente o que há dentro de conjuntos habitacionais, por exemplo, ele pode detectar, por exemplo, aviões dentro de um hangar.

Outra novidade é que este satélite, diferente dos outros convencionais, pode registrar imagens claras e definidas independente de estar durante o dia ou noite.

“Acontece que metade do mundo está à noite, e metade do mundo, em média, está nublado”, disse o CEO Payam Banazadeh, um ex-engenheiro de sistema do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA, ao Futurism. “Quando você combina os dois juntos, cerca de 75% da Terra, a qualquer momento, vai ficar nublado, à noite, ou vai ser os dois. É invisível para você, e essa parte está se movendo”.

A expectativa é que as imagens sejam disponibilizadas para organizações governamentais e clientes privados no mundo tenham acesso as imagens, assim que seis novos satélites Capella 2, como não chamados, forem lançados durante este ano.

Esses clientes, de acordo com Banazadeh, podem ser agências governamentais monitorando um exército hostil em busca de movimento ou rastreando a atividade de um aeroporto. É aí que essa visão penetrante na parede entra em jogo. Banazadeh deu o exemplo de um aeroporto onde aviões escondidos sob uma cobertura tornaram-se claros graças aos satélites SAR. Os clientes também podem ser cientistas que perscrutam as nuvens densas da floresta amazônica para rastrear o desmatamento, ou mesmo investidores que verificam as cadeias de abastecimento globais.

“Há uma série de lacunas na forma como observamos a Terra do espaço – a maioria dos sensores que usamos para observar a Terra são sensores de imagem ótica”, disse ele. “Se estiver nublado, você verá as nuvens, não o que está acontecendo sob as nuvens. E se não houver muita luz, você vai ter muita dificuldade em conseguir uma imagem que seja útil”.

Para ver as imagens de dia ou de noite, o satélite usa um sistema de radar de abertura sintética (synthetic aperture radar, ou SAR).

O SAR funciona de maneira semelhante à forma como os golfinhos e os morcegos navegam usando a ecolocalização. O satélite transmite um poderoso sinal de rádio de 9,65 GHz em direção ao seu alvo e, em seguida, coleta e interpreta o sinal conforme ele retorna à órbita.

“Nessa frequência, as nuvens são bastante transparentes”, disse Banazadeh. “Você pode penetrar nas nuvens, nevoeiro, umidade, fumaça, neblina. Essas coisas não importam mais. E porque você está gerando seu próprio sinal, é como se você estivesse carregando uma lanterna. Você não se importa se é dia ou noite.”

Outra inovação, diz ele, é a resolução na qual os satélites da Capella podem coletar imagens. Cada pixel em uma das imagens do satélite representa um quadrado de 50 por 50 centímetros, enquanto outros satélites SAR no mercado podem atingir apenas cerca de cinco metros. Quando se trata de realmente discernir o que você está vendo do espaço, isso faz uma grande diferença.

Veja mais sobre tecnologia!

Subscribe
Notify of
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Pin