Calor extremo, acidificação e desoxigenação. Esses são os três “cavaleiros do apocalipse” para os oceanos. De acordo com novas pesquisas publicadas na revista AGU Advances, essa “ameaça tripla” se intensificou drasticamente nas últimas décadas, levando nossos oceanos cada vez mais à beira do colapso, em mais uma clara consequência das mudanças climáticas.

Embora nada esteja definido, os achados exibem paralelos assustadores com os eventos que causaram extinções em massa anteriormente na história.

“Se você olhar o registro fóssil, pode ver que houve o mesmo padrão no final do Permiano, onde dois terços dos gêneros marinhos se extinguiram,” disse Andrea Dutton, uma cientista do clima da Universidade de Wisconsin-Madison, que não esteve envolvida no estudo, ao The Guardian. “Não temos condições idênticas agora, mas vale a pena apontar que as mudanças ambientais em curso são semelhantes.”

Calor extremo, acidificação e desoxigenação são forças temíveis por conta própria. Combine duas ou mais delas, e podem ser catastróficas: elas causam o que é conhecido como eventos extremos de colunas compostas, que tornam áreas afetadas do oceano virtualmente inabitáveis.

A pesquisa revelou que esses eventos compostos estão crescendo e agora ameaçam até 20% do volume oceânico global. As águas do Pacífico Norte e dos trópicos são as mais afetadas, sendo as únicas áreas que enfrentam CCX triplos completos — pelo menos até agora.

Pior ainda: os eventos estão cada vez mais extremos e duram três vezes mais, até 30 dias, do que na década de 1960.

“Os impactos disso já foram vistos e sentidos,” disse Joel Wong, autor principal do estudo e pesquisador do ETH Zurich, ao jornal. “Eventos extremos intensos como esses provavelmente acontecerão novamente no futuro e irão perturbar ecossistemas marinhos e pescarias em todo o mundo.”

Os oceanos são os maiores sumidouros de carbono do mundo, absorvendo o gás de efeito estufa e mantendo-o fora da atmosfera — e esse imenso fardo, agravado pelas mudanças climáticas causadas por emissões humanas, está cobrando seu preço.

Quem sabe, então, quão extremas essas catástrofes combinadas podem se tornar.

Veja mais sobre ciência!

Subscribe
Notify of
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Pin